Equipe de gestão da SEMA recebe ONGs para tratar sobre avanços no CAR

A proposta da reunião da SEMA realizada esta semana com o terceiro setor, é estabelecer parcerias para obter mais capilaridade e eficiência no sistema de Cadastro Ambiental Rural – CAR.

A equipe de gestão da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA) se reuniu, durante esta semana, com representantes das principais Organizações Não-governamentais (ONGs) de Mato Grosso. O encontro tratou do plano de ações que contempla mudanças no Sistema de Cadastro Ambiental Rural (Sicar).

Durante a reunião, o secretário adjunto de Gestão Ambiental, Carlos Kato, explicou que o resultado negativo mostrado no diagnóstico técnico-jurídico, que foi produzido em parceria com a Procuradoria Geral do Estado (PGE), serviu de subsídio para a decisão da Secretaria em retomar a gestão do sistema que atualmente é feita pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

“É importante ficar claro que não está havendo uma ruptura com o Governo Federal, a parceira e o diálogo continuam, mas vamos fazer como outros estados, entre eles, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais, que têm autonomia sobre o próprio sistema, pois isso oferecerá mais agilidade e eficiência ao nosso trabalho”.

Para a diretora adjunta do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Andrea Azevedo, o terceiro setor pode ser um grande aliado da Sema nos avanços que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) necessita, já que a maioria das ONGs têm atuação junto aos municípios com agricultores familiares, assentamentos rurais e demais produtores. “Vamos analisar o diagnóstico realizado e também oferecer sugestões, a proposta é trabalharmos juntos”.

Também participaram do evento, que ocorreu no final da tarde de quarta-feira (05.10), o assessor chefe da Sema, Rodrigo Quintana Fernandes, a diretora adjunta do Instituto Centro de Vida (ICV), Alice Thuault, os representantes da The Nature Conservancy (TNC), Tina Timotheo, da Socioambiental, Rodrigo Junqueira e do Ipam, André Guimarães.

Sobre o plano de ações

Uma das principais propostas em andamento consiste na contratação de uma empresa para fazer a gestão do sistema CAR, com as regras e funcionalidades necessárias, por meio de uma dispensa de licitação, com orientação e acompanhamento da PGE.

O investimento será em torno de R$ 7,5 milhões nessa ferramenta tecnológica. Isso sem onerar os cofres públicos, por meio de um Termo de Compromisso com a Copel Usina Hidrelétrica Teles Pires (UHE Colíder). Modalidade que advém de um dos itens do Plano Básico Ambiental (PBA) do empreendimento. A previsão de o sistema estar funcionando plenamente é março de 2017.

Equipe de gestão da SEMA recebe ONGs para tratar sobre avanços no CAR
Avalie esta postagem


Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.